Saúde óssea: exames de imagem que ajudam no diagnóstico

01/07/2021

Dor, dificuldade constante para realizar alguns movimentos e inchaços sem motivo aparente podem servir de alerta para você avaliar a saúde do seu sistema músculo-esquelético.


Costumamos atribuir enfermidades ósseas ao avanço da idade – o que faz sentido, mas é importante destacar que formas de prevenção e diagnóstico precoce ajudam todo paciente a viver mais e melhor.


Por isso, para a matéria de hoje, separamos informações importantes sobre o assunto, destacando alguns possíveis sintomas, as principais doenças relacionadas e os exames que auxiliam no tratamento e diagnóstico.


Para começar, damos destaque às doenças que afetam o sistema músculo esquelético.

Osteoporose

A principal característica da osteoporose são os ossos frágeis e porosos.

A doença acomete, especialmente, mulheres após a menopausa e é causada pela perda de massa óssea - o que enfraquece os ossos. Isso faz com que o risco de fraturas aumente muito, comprometendo assim, a mobilidade e a autonomia do paciente.

Felizmente, já existem exames específicos para diagnóstico da doença e que colaboram para a indicação do melhor tratamento.


Fibromialgia


Também mais comum entre mulheres, a fibromialgia é uma doença reumatológica sem cura que causa dor intensa nos músculos e articulações do corpo.

Através do tratamento adequado e se diagnosticado de forma precoce - é possível amenizar os sintomas, elevando assim as condições de vida do paciente. 

 

Artrite reumatoide

Basicamente, trata-se de uma inflamação das articulações. A doença se manifesta através de sinais como dor, inchaço e rigidez articular

O diagnóstico precoce é fundamental para evitar o comprometimento dos movimentos e o acompanhamento médico deve ser regular.

 

Tumor ósseo

A gravidade da doença está, principalmente, no fato de causar danos a estrutura óssea e na possibilidade de estender-se para outras partes do corpo, já que a enfermidade no local em si, raramente leva à morte. Por isso, é de extrema importância o acompanhamento e tratamento médico. Para diagnóstico, os exames de imagem são bastante eficientes e servem como norte para as tomadas de decisão em relação ao tratamento.

 

Agora que já temos uma base sobre as doenças mais comuns nos ossos, é hora de conhecer os principais sintomas dessas enfermidades.

Reiteramos aqui, a importância de se atentar aos sinais do seu corpo e procurar instrução médica sempre que observar algo incomum.

 

1. Dor e inchaço

Este é o alerta mais claro de que algo não vai bem e a forma que o nosso corpo encontra de sinalizar isso. Observe, principalmente, quando a dor é constante até mesmo relaxado ou deitado. Doenças como a artrite reumatoide e fibromialgia tem a dor constante como um dos principais sintomas.

Além disso, inchaços pontuais nas mãos, pés e joelhos também podem esconder um problema ósseo. Caso o incômodo não melhore, mesmo após repouso ou alguns dias, procure um médico rapidamente para uma avaliação mais precisa.

Quanto antes o diagnóstico for feito, melhores serão as condições de tratamento. Lembre-se disso!

2. Fraturas

Fraturas são comuns - devido a quedas ou acidentes – e geralmente acontecem. No entanto, ligue o alerta se por motivos banais e freqüentes elas passem a fazer parte do seu dia a dia ou de algum familiar.

Ossos fragilizados podem ser reflexos de doenças sérias como a osteoporose e até tumores ósseos.

3. Dormência

Membros dormentes com frequência ao longo dos dias, também podem esconder doenças como a artrite reumatoide – que causa esse tipo de desconforto e precisa de tratamento adequado de acordo com o quadro do paciente.

 

EXAMES

É hora de conhecer os principais exames que colaboram com o diagnóstico e auxiliam na tomada de decisões para tratamento:

 

Raio-X

Através do Raio-X é possível analisar a existência de fraturas nos ossos, sendo geralmente solicitado como complemento à Densitometria Óssea, dependendo do caso.

Isso porque, em muitas situações, o exame identifica alterações – como calcificações nos ligamentos e artrose das interapofisárias – que não foram detectados no exame de Densitometria, por exemplo.

 

Densitometria óssea

Com este exame é possível analisar o grau da densidade óssea, avaliando o risco de futuras fraturas e estimando sua resistência. 

É considerado o procedimento mais moderno para acompanhar doenças – como a osteoporose – e uma das principais opções médicas para a investigação dos ossos.

 

Tomografia computadorizada

Bastante solicitada para orientação de biopsias, diagnóstico de fraturas, artropatia e lesões ósseas, a tomografia computadorizada avalia, basicamente, a cortical óssea e costuma ser um exame complementar para o fechamento de diagnósticos.

 

Ressonância magnética

Costuma ser utilizada para a avaliação de problemas na diferenciação de colapsos vertebrais, através das imagens capturadas pelo exame. Além disso, é capaz de fazer diagnóstico de lesões ósseas, de cartilagem, ligamentos, tendões, músculos nas várias articulações e segmentos do sistema músculo-esquelético.

 

PREVENÇÃO E OUTROS CUIDADOS

 

Sempre reforçamos em nossos conteúdos, a importância de manter bons hábitos, fazer exames de check-ups frequentes e visitar seu médico regularmente.

Estas são pequenas ações que geram resultados importantes, principalmente a longo prazo.

Tratando-se de estrutura óssea – é ela quem sustenta nosso corpo – manter a saúde e cuidado com os ossos preservará nossa independência e qualidade de vida. 

Por isso, preparamos uma lista com 5 dicas de autocuidado para você!

 

1. Tome sol regularmente. Quinze minutinhos diários, sem protetor solar e fora dos horários de pico, é o suficiente. Isso porque o sol é a principal fonte de produção da vitamina e os raios ultravioletas do tipo B, são capazes de ativar a síntese da substância. Resumidamente, ele é o responsável por 80 a 90% da vitamina D que o corpo recebe.

 

2. Mantenha um peso razoável e uma dieta equilibrada. Tão importante quanto se atentar as quantidades de consumo, é o valor nutritivo dos alimentos ingeridos. Priorize produtos frescos, naturais e reduza de seu cardápio opções repletas de gorduras, carboidratos simples e açucares. Este cuidado com a sua saúde lhe manterá longe, não só da osteoporose como de diversas doenças e complicações de saúde.

 

3. Inclua exercícios em sua rotina: o sedentarismo favorece a perda de massa óssea. Portanto, movimente-se desde já. Caminhadas, hidroginástica, dança...O importante é manter-se ativa.

 

4. Evite cigarro e bebidas alcoólicas: não só para a saúde dos seus ossos, mas para o bem estar geral do seu corpo.

 

5. Atividades de equilíbrio, que auxiliam na prevenção de quedas e, consequentemente, na redução do risco de fratura devem ser estimuladas. É o caso do alongamento, pilares e ioga. Além de promoverem o bem-estar geral ao corpo e auxiliarem no tratamento de dores crônicas, são importantes para postura, força e flexibilidade.

 

Por isso e para finalizar, listamos aqui, 10 alimentos ricos em cálcio para você incluir em sua dieta agora mesmo. 


  • Alimentos ricos em Cálcio
  • Feijão-branco
  • Leite e derivados (queijos, iogurtes...)
  • Brócolis
  • Folhas escuras: vale rúcula, agrião, espinafre, couve...
  • Soja
  • Cereal matinal de milho
  • Peixes como salmão e sardinha
  • Grão de bico
  • Sementes de chia e gergelim
  • Tofu

 

Ossos saudáveis são sinônimos de uma vida com mais qualidade de vida, por isso, cuidar da prevenção e buscar auxílio médico rápido é fundamental para um diagnóstico precoce e rápido início de tratamento,

 

Agende seus exames com comodidade!

 

A LABIMAGEM é referência em exames de imagem. Oferecemos aos nossos pacientes sempre o melhor em tecnologia diagnóstica.

Para agendamento de exames e outras informações sobre os nossos serviços, clique aqui.